Advocacia, ética e respeito.
Terça-feira
07 de Dezembro de 2021 - 

Controle de Processos

Usuário
Senha
Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Nome:
Email:

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,69 5,69
EURO 6,41 6,41
LIBRA ES ... 7,53 7,53

Previsão do tempo

Hoje - Taubaté, SP

Máx
23ºC
Min
18ºC
Chuvas Isoladas

Quarta-feira - Taubaté, SP

Máx
23ºC
Min
17ºC
Chuvas Isoladas

Quinta-feira - Taubaté, SP

Máx
24ºC
Min
16ºC
Chuvas Isoladas

Alterações na LINDB e seus reflexos no Direito Público são discutidos em ciclo de palestras

Palestraram os diretores da EPM e da Fundação Arcadas.   Com o tema “A motivação nas decisões em Direito Público – diálogo entre a LINDB e o CPC” teve início nesta segunda-feira (18) o ciclo de palestras Principais alterações na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (LINDB) promovidas pela Lei nº 13.655/18 e seus reflexos no Direito Público, realizado pela Escola Paulista da Magistratura (EPM) e pela Fundação Arcadas. As exposições foram ministradas pelo diretor da EPM, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez; e pelo diretor-presidente da Fundação Arcadas, Flávio Luiz Yarshell. Na abertura dos trabalhos, o desembargador Antonio Carlos Villen, coordenador do ciclo, ressaltou a satisfação pela realização do evento, recordando que a EPM estabeleceu convênio de cooperação científica e acadêmica com a Fundação Arcadas. Ele agradeceu a colaboração do professor Fernando Campos Scaff e do juiz Alexandre Dartanhan de Mello Guerra, também coordenador do ciclo, bem como aos servidores da EPM e da Fundação Arcadas e aos participantes. Iniciando as exposições, Luis Francisco Cortez apresentou um panorama sobre a evolução da concepção das decisões administrativas e destacou as transformações no Direito Administrativo com a mudança da ideia de potência pública do Estado perante o cidadão para a de prestador de serviço público. “Como o juiz exerce uma parcela do poder, ele também precisa de limites, precisa reconhecer que o exercício do Direito pressupõe escolhas racionais e é preciso conhecer por que se decidiu de uma maneira ou de outra”, frisou. O diretor da EPM esclareceu que a motivação das decisões integra o núcleo dos direitos fundamentais por ser vetor da proteção de outros direitos fundamentais, como o devido processo legal, o contraditório, a ampla defesa, o acesso à ordem jurídica justa, que possibilita o acesso a uma decisão ponderada, dentro dos princípios e valores que integram o ordenamento jurídico, inclusive a segurança jurídica, fundamental para a estabilidade das relações sociais. “O pronunciamento, seja administrativo ou judicial, deve exteriorizar os motivos para que o destinatário da decisão possa questioná-la e impugná-la. É preciso tentar convencer o destinatário da decisão e para isso a sua participação na formação do processo decisório é importante. A motivação permite entender as razões pelas quais se decidiu de uma maneira ou de outra e permite o controle público das decisões e da sua legitimidade. Entender o processo decisório fortalece as instituições”, ponderou. Ele discorreu ainda sobre a multiplicidade das fontes normativas e sobre as alterações na LINDB que determinam diretrizes para as decisões no âmbito do Direito Público.  Flávio Yarshell ressaltou que a motivação é um dos grandes desafios do poder jurisdicional. Ele discorreu sobre o processo decisório, pelo qual o julgador intui qual é a solução correta e depois encontra a fundamentação para justificar a sua decisão, segundo a Psicologia comportamental. Ele dissertou sobre aspectos concretos ao exame da motivação quando é preciso modular ou restringir os efeitos da decisão para ajustá-la a uma realidade que aparentemente não compôs o objeto do processo. “A ideia do consequencialismo é a limitação e essa ideia de condicionar o julgamento às suas consequências sempre esteve no sistema. Basta pensar no instituto da suspensão da segurança ou de liminares”, analisou. Ele salientou que o desafio é fazer com que o consequencialismo não seja a própria negação do direito e observou que desaponta, no que toca à segurança jurídica, que a Corte, que tem o papel de formação de precedentes, decida e consolide a jurisprudência de uma maneira e depois outra Corte superior module essa decisão em outro sentido. O professor acrescentou que a ideia de modulação é uma projeção do consequencialismo. “É preciso ponderar o papel que a modulação. É importante que ela seja um caminho de confirmação sobre os fundamentos que levam a conectar com a realidade e a atenuar a aplicação do Direito. E é importante que se demonstre de que forma paradoxalmente a aplicação do Direito no contexto daquela realidade seria a negação do Direito. Esse me parece o grande desafio porque, do contrário, seremos agentes da negação do Direito. É preciso pensar em uma forma técnico-processual que contribua para evitar o risco de que, via consequencialismo, acabemos negando o Direito que nós mesmo reconhecemos”, analisou e ponderou a respeito de se ampliar os debates para trazer ao processo essa realidade que escapa à motivação de decisões que depois terão de sofrer modulação.     imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial 
20/10/2021 (00:00)
Visitas no site:  2434142
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.